A História

Por volta de 1918, os Salesianos, adquiriram uma chácara no Alto de Santana, bairro do Chora Menino, onde construíram, em primeiro lugar, um campo de futebol e um galpão para os alunos do Liceu passearem e brincarem, num ambiente de ar puro, pois muitos deles estavam convalescendo da Grande Gripe, que assolou o mundo depois da Primeira Guerra Mundial (1914-1918).

A chamada Igreja Votiva de Santa Teresinha começou a ser erguida em meados de 1924, para cumprir um voto que o Padre Luiz Marcigaglia, naquele tempo Diretor do Liceu Coração de Jesus, fez à Teresa de Jesus, em agradecimento pela proteção recebida durante a Revolução de 1924, episódio em que tropas rebeldes do Exército e da Força Pública de São Paulo, sob o comando do General Isidoro Dias Lopes, tentaram sufocar a resistência do Palácio dos Campos Elíseos, onde tropas legalistas defendiam o Governador Carlos de Campos.

Várias vezes, as bombas dos canhões caíram dentro do Liceu, não ferindo nenhum dos internos. Os meninos foram, então, levados para o prédio da imigração, no bairro do Brás, atravessando a pé as ruas da cidade, em formação e uniformizados com fardas caqui.

Nesta ocasião, um novo e maior milagre ocorreu, pois confundidos como forças militares inimigas, por pouco não foram mortos.

Cumprindo a promessa do Padre Marsigaglia, em 1924, o Liceu começou a erguer a Capela dentro da referida chácara, contando com seus próprios recursos e auxílio dos Salesianos Cooperadores, capela essa que veio a ser inaugurada em 04 de abril de 1927.

 Nessa condição de capela, permaneceu durante 12 anos, até que em 26 de março de 1939, foi colocado o sino da igreja, não sem um grande susto, conforme atesta a redação lavrada no Livro Tombo, que narra: “Após os discursos, os bombeiros começaram a erquer o sino. A escada, porém, não fez o serviço direito; e assim quasi se matam 2 bombeiros; por se ter rebentado o cabo de aço. Era a 1ª vês que se usava essa escada, último modêlo.”(sic).

Mais um ano ainda se passou e finalmente, em 27 de outubro de 1940, houve o decreto episcopal de ereção da paróquia Santa Teresinha, elevando o templo, da condição de capela à condição de Igreja Matriz Paroquial.